Como é feito o cálculo do ROI laboratorial e como esse indicador pode impulsionar o seu negócio

Tão importante quanto executar etapas de auditoria, normatização ou acreditação e rastreabilidade em um laboratório, é analisar quais aplicações dão mais ou menos resultados em uma empresa no momento de um novo investimento na área. Isso é possível graças ao cálculo do ROI.

Para qualquer laboratório de qualidade, saber o custo de cada atividade executada em seu processo é imprescindível. Ter as informações sobre o consumo de reagentes, lead time de cada amostra processada, tempo gasto com calibração e manutenção de equipamentos são alguns dos KPIs muito importantes que um gerente de qualidade deve ter em mãos para tornar investimentos em seu laboratório possíveis e poderão ter ROI’s mais assertivos.

Mas o que é, como calcular um ROI e qual a sua importância para o laboratório? Continue a leitura e fique por dentro!

O que é o ROI?

Abreviação de “return on investment”, ou retorno sobre o investimento em português, o ROI representa uma métrica voltada para a análise de estratégias, para, dentro de uma empresa, avaliar o que vale a pena ser feito em termos de investimentos. Em outras palavras, o ROI corresponde ao retorno, tanto em relação às perdas quanto aos ganhos, para cada real investido na instituição.

Com ele, é possível avaliar os seus custos atuais, qual o seu impacto no cenário atual da empresa e quais as melhores aplicações a serem feitas – nesta caso para o laboratório – em que medida elas promoverão melhorias na empresa e como elas podem ser aperfeiçoadas para trazer resultados ainda melhores com uma possível nova solução ou tecnologia. Assim, os gestores podem construir as melhores estratégias para o impulsionamento do negócio.

Por que ele é importante?

O ROI é um critério muito valioso para os gestores e demais profissionais que atuam com decisões chaves na organização, como os executivos, no momento de um novo investimento, pois este indicador pode trazer mais assertividade no planejamento das ações da companhia e, consequentemente, melhores resultados para os clientes.

Além disso, este indicador também faz a diferença na busca por possíveis investidores e fornecedores: no processo de avaliação de um laboratório de qualidade (QA), as empresas podem observar o impacto de uma nova rotina de trabalho comparando um cenário de processos atuais versus um cenário idealizado com os benefícios que o novo fornecedor poderá vir a oferecer.

Outro ponto em que o cálculo do ROI se destaca é na priorização de projetos. Em um laboratório, onde diariamente são realizadas diversas atividades, muitas delas simultaneamente, o ROI é um bom parâmetro para determinar quais projetos devem ser priorizados, de acordo com a ordem de potencial de retorno para a companhia ou pelo seu impacto negativo atual.

Como calcular o ROI?

A fórmula para calcular o ROI é simples: basta subtrair o investimento inicial do valor total do lucro, e dividir esse resultado pelo investimento inicial (valor do lucro – valor do investimento/valor do investimento).

Suponha que o seu laboratório tenha um projeto cujas despesas totais sejam de R$10 mil, e que o valor do lucro corresponda a R$100 mil. Aplicando a fórmula, temos: 100.000 – 10.000/10.000, resultando num ROI de valor 9. Como usualmente o indicador é dado em porcentagem, basta multiplicar o valor do ROI por 100, tendo então 900% de retorno.

Além disso, no cálculo do ROI são considerados também o tempo gasto em todas as atividades passíveis de serem automatizadas por uma ferramenta de gestão, o que torna a construção do ROI um pouco mais complexa; como por exemplo, calcular tempo para recebimento de amostras, transcrição de informações para o papel, coleta manual de dados, tempo para execução e revisão de cálculos, geração de relatórios e gerenciamento de estoques, por exemplo.

Todas essas atividades, se realizadas de maneira manual, gastam mais tempo, mais dinheiro, e consequentemente uma solução que possa sanar estes pontos, terá um ROI muito atrativo, e poderá mensurar o período de pagamento da nova solução versus o gap de produtividade.  

Ao calcular o ROI, o tempo entra como uma variável obtida a partir da multiplicação do tempo x o valor hora de cada profissional do laboratório, tendo como base o salário médio de cada função. Entram como dados também os custos fixos do laboratório, que se tornam mais altos à medida que as atividades da empresa são feitas de maneira mais burocrática e menos automatizada, além do contencioso trabalhista crescer gradualmente.

De que forma é possível aumentar o ROI laboratorial?

Dentro do escopo de serviços oferecidos por uma empresa, é possível utilizar de algumas estratégias que proporcionem um aumento no valor do ROI. Em um laboratório, então, existem algumas técnicas importantes nesse processo:

  • Escalabilidade: Caso o seu laboratório realize atividades para demais empresas, procure estabelecer padrões que possam ser replicados em novos contratos e adote um sistema de gestão laboratorial sofisticado que possibilite escalar a atividade de análise, sem a necessidade de aumentar seus custos. Desta forma, você poderá ter um custo fixo sem a necessidade de elevá-lo em momentos de crescimento.  Caso o seu laboratório atenda clientes internos, o mesmo vale para as exigências de aumento de produtividade ou para validação de processos mais seguros e/ou rentáveis.
  • Profissionalize o seu negócio: padronização de processos, implementação de melhorias, alinhamento dos valores da empresa, capacitação dos profissionais e incentivo à comunicação interna são alguns dos fatores que, se bem aplicados, podem impulsionar o valor dos serviços do laboratório e, ao mesmo tempo, alcançar mais clientes.
  • Invista em novas tecnologias: ferramentas que atuam na otimização das tarefas do laboratório são ótimas aliadas na busca pela redução de custo de operação (ou TCO), pois contribuem para uma maior padronização, facilitam processos como auditorias e rastreabilidade e, consequentemente, proporcionam um melhor desempenho à empresa.

Qual o papel de um software nesse processo?

Ao inserir uma ferramenta de gestão nas rotinas da empresa, é possível, além de automatizar as atividades, torná-las mais dinâmicas, produtivas e escaláveis, facilitando então o processo tanto para gestores e demais profissionais, quanto para os clientes que desejem contratar os serviços do laboratório, o que faz a diferença no momento de calcular o ROI laboratorial e tornar o seu laboratório mais produtivo e rentável.

Desta forma, adotar um LIMS (Laboratory Information Management System, ou em português, Sistema de Gerenciamento de Informações Laboratoriais) como ferramenta de gestão é uma boa opção para os que buscam aumentar o ROI de suas empresas.

Com o uso de um LIMS como o Sample Manager, diversas atividades são otimizadas nesse processo, pois, além de eliminados vários custos, todas as informações do laboratório podem ser acessadas e gerenciadas de maneira mais rápida, com uma taxa de erros muito inferior se comparada à gestão por meio de documentos físicos. Outra vantagem do SM é a conformidade com a ISO 17025, que diz respeito a sistemas de gestão em laboratórios de ensaios e calibrações.

Portanto, caso queira analisar o ROI de um projeto de LIMS para o seu laboratório, a Interfusão poderá lhe apoiar nesta tarefa, e mostrar os benefícios de se adotar o Sample Manager em sua empresa.

Com tantos dados, ficou mais fácil perceber o valor de um software como o Sample Manager na busca pela otimização das atividades do seu laboratório e consequentemente pelo impulsionamento o ROI da sua empresa, não é mesmo? Quer saber mais sobre o SM pode contribuir para valorizar o seu negócio? Entre em nosso Facebook, LinkedIn, Instagram e YouTube confira todas as novidades!

Veja também

Interfusão TI

Criando soluções em LIMS e P&D

LEIA TAMBÉM

Empresa do Grupo